quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Neandertais comendo e se medicando com plantas? Como assim Dona Evolução?


Há já algum tempo que o “Institute for Creation Research” identificou os Neandertais como humanos no verdadeiro sentido do termo.1 Mas durante décadas, os evolucionistas caracterizaram esta extinta variedade de humanos como sub-humanos, alegando que carne era practicamente tudo o que eles ingeriam.
Um livro de 1970 com o título Early Man ilustrou uma migrante família Neandertal usando peles de animais e carregando tacos de madeira. Parte da legenda diz:
Do lado esquerdo, um homem carrega uma pequena quantidade de provisões – um coelho e uma áve aquática – indicando que os Neandertais caçavam outras criaturas para além de ursos das cavernas e rinocerontes lanudos.2
O livro não diz que os Neandertais ingeriam plantas por motivos nutritivos e por motivos médicos, mas uma recente análise forense aos dentes dos Neandertais “morde” esta antiga história evolucionista.
Pesquisadores estudaram o cálculo dentário, ou o tártaro, dos dentes de cinco Neandertais encontrados na Caverna El Sidrón no Norte de Espanha. Durante os seus estudos foram usadas técnicas avançadas de rastreio de certos químicos. Os seus resultados foram revelados no jornal Naturwissenschaften:
Ao usar estes métodos juntamente com a extracção e análise de microfósseis vegetais, encontramos 1) evidências químicas consistentes com fumo proveniente de fogo feito em madeira, 2) uma gama de comida amilácea cozinhada, 3) duas plantas conhecidas actualmente pelas suas qualidades médicas, 4) e betume ou óleo de xisto preso dentro do cálculo dentário. No entanto, dentro do mesmo cálculo, evidências químicas de lípidos/proteínas provenientes de carne eram baixas ou totalmente inexistentes.3
Os Neandertais usaram comida rica em amido e plantas com propriedades médicas? Os autores do estudo escreveram que estes antigos “possuíam um conhecimento sofisticado do seu ambiente natural, incluindo a habilidade de seleccionar certas plantas.3
Quem quer que tenha sugerido que os Neandertais não eram humanos foi motivado pelo dogma uma vez que décadas de análise forense demonstraram ad nauseum a humanidade dos mesmos. Por exemplo, eles usavam instrumentos musicais e jóias, e o seu ADN é totalmente humano4,5 Mais importante ainda, o facto dos Neandertais terem ingerido comida rica em amidos refuta a desculpa-padrão usada pelos evolucionistas para explicar o porquê da população humana ter explodido numericamente há apenas 5,000 anos atrás, depois da humanidade supostamente ter existido durante mais de 100,000 anos.6
Os autores do estudo presente na Naturwissenschaften deram início ao seu relatório com alegações doutrinárias alegando que “Os Neanderthais desapareceram algures entre 30,000 a 40,000 anos atrás.”3 Se seres totalmente humanos existiram durante 30,000 anos ou mais, o que é que causou a que eles esperassem 25,000 anos antes do seu histórico crescimento populacional?
Para os evolucionistas, as calorias presentes nos cereais supostamente são a chave para o seu dilema.7 Eles alegam que os seres humanos primordiais nada mais eram que caçadores, e que só recemente foram capazes de cultivar e catar as calorias necessárias para o crescimento populacional. O problema para os evolucionistas é que os Neandertais da Caverna de El Sidrón, e usando a idade evolutiva de 50,000 anos, alimentava-se de cereias. Se estas pessoas ancestrais alimentavam-se com “uma gama de comida amilácea cozinhada“, é razoável acreditar que outros povos do mundo faziam o mesmo.
Ajustar estas evidências dentro da história Bíblica é bastante simples (coisa que não é ajustar estes dados às histórias evolutivas sempre em constante revisão): Os Neandertais e outras populações humanas descendem do primeiro casal criado à Imagem de Deus – originalmente criados com a capacidade de construir joelharia, tocar instrumentos e “a habilidade de seleccionar certas planta” para fins médicos e nutricionais.
O motivo por trás do recente crescimento populacional simplesmente é o reflexo do tempo passado desde o Dilúvio descrito em Génesis – quando o homem se começou a multiplicar e a encher a Terra. Não é preciso inventar uma história em torno das calorias ; e ainda bem que não é preciso, uma vez que as evidências de que os Neandertais comeram alimentos ricos em amido em quantidades suficientes para causar tártaro dentífrico demonstram que as calorias encontravam-se disponíveis demasiado cedo para serem usadas como desculpa em torno do porquê o crescimento da população humana ter começado mais tarde do que o momento esperado pelos evolucionistas.
As perguntas para os evolucionistas ateus são quase sempre as mesmas: vocês vão acreditar na ciência e na Palavra de Deus, ou vão acreditar nas “fabulas enganosas” descritas pelos militantes ateus do passado (e do presente) ? Que tipo de evidência científica é que vocês aceitariam para que vocês deixassem de ter fé em Darwin e passassem a ter fé no que o Criador diz na Bíblia?
A Bìblia é a Perfeita Palavra de Deus, inspirada pelo Espírito Santo de modo a que nós possamos saber o suficiente para evitar sermos lançados na fornalha eterna. Quanto mais tempo vocês evolucionistas ateus se apegam a mitos naturalistas, mais difícil fica vocês evitarem esse tal castigo eterno. A escolha é vossa.
HeavenHell2Choice
E, como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo depois o juízo, assim também Cristo, oferecendo-se uma só vez para levar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação. – Hebreus 9:27-28
Fontes: ICR e Darwinismo.
Referencias
  1. Gish, D. 1975. Man…Apes…Australopithecines…each Uniquely DifferentActs & Facts. 4 (11). 
  2. Howell, F. C. 1970. Early Man. Morristown, NJ: Silver Burdett Company, Time Inc., 132.
  3. Hardy, K. et al. 2012. Neanderthal medics? Evidence for food, cooking, and medicinal plants entrapped in dental calculus. Naturwissenschaften. 99 (8) :617–626.
  4. Zilhão, J. et al. Symbolic use of marine shells and mineral pigments by Iberian Neandertals. Proceedings of the National Academy of Sciences. Published online before print January 11, 2010.
  5. Green, R. E. et al. 2010. A Draft Sequence of the Neandertal Genome. Science. 328 (5979): 710-722
  6. Thomas, B. 2012. A Recent Explosion of Human DiversityActs & Facts. 41 (9): 17. 
  7. For example, one study said, “What, in the agricultural economy, had an impact on human biology that ultimately determined the growth of the population? The increase in natural maternal fertility, through a reduction in the birth interval, is mainly determined by the energy balance and the relative metabolic load. It implies a positive return of the postpartum energy balance, which occurred earlier in farming than in foraging societies due to the energy gain from the high-calorie food of sedentary farmers (wheat, lentils, peas, maize, rice, and millet) compared to the low-calorie food of mobile foragers (mainly game), coupled with a decrease in the energy expenditure of carrying infants. This signal is interpreted as the signature of a major demographic shift in human history and is known as the Neolithic Demographic Transition (NDT) or, synonymously, the Agricultural Demographic Transition.” See Bocquet-Appel, J.-P. 2011. When the World’s Population Took Off: The Springboard of the Neolithic Demographic Transition.Science. 333 (6042): 560-561.

Compartilhe com os seus o que lhe interessa!

PDF e/ou impressão:

Print Friendly and PDF
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Envie este artigo para seus seguidores!

Locais dos Estudantes de hoje:

podcasting